A Revolução humanaa

119.jpg

É fatídico a revolução tecnológica atual revirando e direcionando as nossas vidas. É real também que muitas atividades estão sendo substituídas pela tecnologia. A tecnologia está tão avançada que os nossos filhos já nascem tateando as telas. Estou exagerando, mas é incrível como o meu filho de 2 anos de idade passa seu dedinho sobre a tela do celular! Isso porque tentamos ao máximo não deixar que o pegue. Abro parênteses, como é difícil não deixar que ele pegue o celular, uma vez que nós, os pais da era tecnológica, estamos grudados com o dito cujo o dia todo!

Com casas sendo administradas pelo celular, o que nos restará diante dessa era? Será que nós humanos teremos espaço? Teremos trabalho? Podemos dizer que sim. Porém, são poucas as profissões sobreviventes diante dos novos tempos. Outras profissões serão desenvolvidas, principalmente aquelas ligadas à tecnologia, claro, bem como aquelas que trabalham o relacionamento humano. Isso mesmo! Com tanta tecnologia capaz de fazer atividades que fazíamos antes, teremos mais tempo para pensar e criar os novos programas desenvolvedores da capacidade humana de criar. Então iremos reaprender a criar. Nós nascemos criativos e desaprendemos a ser criativos.

Eu diria que a revolução humana é justamente essa necessidade de reaprendizado. Somos seres criados para aprender e reaprender. Estamos aqui para ensinar e aprender, para trocar experiências.

A tecnologia pedirá soluções novas para problemas novos. Soluções antigas não resolvem problemas novos. Áreas para cuidar das pessoas no sentido de se autoconhecerem já são uma tendência. Basta ver a quantidade de cursos existentes para o autoconhecimento, diversas formações em coaches, espiritualidade, são necessidades para o redescobrimento do “famoso” propósito individual e coletivo.

Antigamente bastava ter uma especialidade de formação. Crescemos ouvindo nossos pais nos indicando e direcionando-nos para basicamente 3 profissões, medicina, direito e engenharia. Vejam que esse mito já está sendo esquecido, sou prova viva e atual dessa quebra de paradigma, sou engenheira e trabalho aplicando ferramentas de engenharia para organizar e otimizar processos nos escritórios de advocacia. Está cada vez mais clara a necessidade de convergência entre profissões, a advocacia está se reinventando junto à tecnologia e aos conceitos de engenharia de produção. Assim como a engenharia e a medicina também convergem para conhecimentos de outras áreas.

Ou seja, nós necessitamos de vários conhecimentos, a multidisciplinaridade está cada dia mais incorporada nas organizações. Não é mais um curso de graduação ou pós-graduação que define o que queremos ser ou onde devemos atuar. Cada vez mais temos o livre arbítrio diante de nós com inúmeras possibilidades de atuação. O sistema de ensino que não ensina o advogado fazer um simples controle de gastos nem o engenheiro no conhecimento das leis, está fadado ao fracasso.

Somos obrigados a nos reinventar. Conhecer o perfil humano, especificamente o perfil do comprador daquele produto, é cada vez mais necessário para as empresas que atuam no mercado de consumo material.

E quais são as atividades do futuro? Já ouviram falar de terapia recreativa? Essa promete ser uma atividade do futuro. Fazer as pessoas sorrirem, se divertirem é uma boa alternativa para um mundo tão “frio” e cada vez menos interativo, não acham? Cuidar do outro, ainda parece ser algo que não pode ser substituído. Ainda não! As terapias para os relacionamentos humanos e bem-estar, por enquanto, possuem lugar no mercado. E acredito que ainda terão por um bom tempo, pois nada substitui o ato de cuidar do outro.

Perceberam como a medicina mesmo com uma grandiosa evolução nos tratamentos das doenças graves vem convergindo com a espiritualidade? Perceberam como os médicos estão chamando a atenção para a saúde dos pensamentos e emoções, no sentido de tratar e curar certas doenças?

Ou seja, mesmo com a tecnologia avassaladora, seremos necessários para o redescobrimento humano, para o autoconhecimento coletivo, para a evolução global. Os sobreviventes dessa nova era serão os “heróis” de um novo mundo.

Esteja aberto para o novo e para quebrar as regras lá fora!

 

 

Priscylla Spencer

Engenheira de Produção, especialista em Logística e Gestão de Projetos e entusiasta nos assuntos sobre a relação humana e autoconhecimento